PROJETOS ATIVOS

Unidades de Conservação do estado do Rio de janeiro: Análises e Estratégias para a Conservação da Flora Endêmica Ameaçada

Patrocínio : Fundo Brasileiro para a Biodiversidade – Funbio
Coordenação: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Período: 2015 a 2017

O objetivo do projeto é o de promover o conhecimento do estado de conservação das espécies endêmicas do Estado do Rio de Janeiro, bem como sua distribuição e ocorrência, especialmente em Unidades de Conservação, para que se possa aferir a suficiência destas na conservação da flora ameaçada do Rio de janeiro, embasar políticas de expansão das Unidades de Conservação já estabelecidas e indicar áreas prioritárias para a implementação de novas Unidades. Somem-se a isso a oportunidade de se estabelecer outro importante instrumento de conservação da biodiversidade, que são as Red Lists, ou as Listas Vermelhas de espécies ameaçadas, além do Planejamento de Ações de conservação dessas espécies.

 

Elaboração e Publicação dos Planos de Ação Nacionais (PANs)

Patrocínio : Ministério do Meio Ambiente – MMA
Coordenação: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Período: 2015

Tem como objetivo a conservação da flora ameaçada de extinção nas regiões de região da Serra do Espinhaço Meridional e na mesorregião Norte de Minas Gerais.

 

Project Improving Brazilian Capacity to Conserve and Use Biodiversity Through Information Management and Use

Patrocínio : The United Nations Environment Programme
Coordenação: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Período: 2014 a 2016

Em dezembro de 2010, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ) recebeu do CNPq a missão de construir um herbário virtual para abrigar as imagens de plantas brasileiras que estão depositadas em herbários de outros países, criando em uma instituição pública brasileira a capacidade de armazenar e fornecer dados de qualidade sobre a nossa flora. Os primeiros parceiros desta iniciativa foram os herbários K (Royal Botanic Gardens, Kew) e P (Muséum national d’histoire naturelle, Paris), cujas imagens se somam às do herbário RB, do próprio JBRJ. Com a inclusão de dados e imagens de novos parceiros internacionais e nacionais há a necessidade do desenvolvimento de um sistema de integração que facilite a entrada e atualização constante dos dados e imagens ao sistema. As melhorias a serem desenvolvidas no atual sistema de gerenciamento de coleções têm como objetivo tornar o JBRJ uma instituição-modelo no tratamento, qualificação e compartilhamento de dados sobre biodiversidade, provendo dados qualificados sobre espécies, ocorrências, observações de campo e produção intelectual sobre a biodiversidade de plantas brasileira aos sistemas voltados para integração, tratamento e análise de dados sobre biodiversidade, como o SiBBr, GBIF, Flora do Mundo Online, IUCN, SpeciesLink, etc.

 

Conservação de espécies da flora criticamente em perigo de extinção do cerrado brasileiro

Patrocínio: Tropical Forest Conservation Board – TFCA/ FUNBIO
Gestão e execução: Fundação Flora de Apoio À Botânica
Período: 2012 a 2015

Objetivo:

Evitar novas extinções de espécies da Flora do Cerrado brasileiro, através do planejamento de ações para a conservação daquelas consideradas Criticamente em perigo de Extinção, de acordo com a Estratégia de Conservação de Espécies.

Objetivos Específicos:

• Elaborar diretrizes para a implantação e doação nacional de Estratégia de Conservação e espécies SCS/ SSC-IUCN garantindo o alinhamento das demandas nacionais com as metas de acordos internacionais;
• Adaptar o sistema de informação desenvolvido pelo CNCFlora para gerenciamento de dados sobre a flora, de modo a viabilizar a sistematização de etapas do processo de planejamento de ações para a conservação de espécies e monitoramento e avaliação de sucesso dos planos de ação;
• Capacitar uma equipe central para a coordenação nacional do processo e facilitação de oficinas de trabalho;
• Realizar pesquisas em campo para levantar informações sobre espécies consideradas prioritárias para a pesquisa e conservação (categoria CR) ocorrentes em áreas de Cerrado, dentro e fora de Unidades de Conservação (SNUC).
• Elaborar e publicar planos de ação nacionais para as espécies classificadas como Criticamente em Perigo (CR), após a reavaliação do risco de extinção conduzida pelo Centro Nacional de Conservação da Flora – CNCFlora.

 

Projeto Caracterização do Maior Banco Coralíneo do Atlântico Sul : Biodiversidde e Potencial de Sequestro de Carbono

Patrocínio: Brasoil Manatti Exploração Petrolífera S.A
Período: 2012 a 2016

Avanços têm sido obtidos nos últimos anos sobre o papel dos recifes coralíneos na estabilidade do clima no planeta através, principalmente, do mapeamento das áreas ocupadas por recifes coralíneos nos oceanos e em estimativas e modelos sobre as taxas de produção de CaCO3 pelos organismos construtores dos recifes. Surpreendentemente, não existem estimativas para o Atlântico Sul, apesar de estudos da década de 1970 indicarem que a plataforma continental da região nordeste brasileira poderia apresentar os maiores depósitos de CaCO3 do mundo, especialmente a área do Banco dos Abrolhos.

Objetivos do projeto:

caracterizar a distribuição, composição, estrutura e extensão das formações recifais e bancos de rodolitos do Banco dos Abrolhos estimando sua contribuição para a produção de CaCO3 e consequentemente seqüestro de carbono no maior banco coralíneo do Atlântico Sul.
Complementar as amostragens já realizadas, o que nos permitirá finalizar o mapeamento de habitats, descrevendo a biodiversidade e determinando a estrutura das comunidades recifais do Banco dos Abrolhos contribuindo assim para o entendimento dos padrões de distribuição de espécies ocorrentes nessas áreas.

Conheça mais aqui

Para assistir ao documentário, clique aqui

imagem

Foto: Rodrigo L. de Moura

 

Projeto Riqueza de espécies em regiões montanhosas da Amazônia brasileira: diversidade e conservação

Patrocínio : Natura Cosméticos S.A
Coordenação: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Período: 2011 a 2014

Acreditando que o primeiro passo para a conservação e demais estudos sobre a biodiversidade, deva ser uma lista de espécies, o presente projeto se justifica pela carência de informações sobre a diversidade vegetal das montanhas da Amazônia brasileira; pela escassez de materiais testemunhos em acervos científicos, o que prejudica estudos taxonômicos, biogeográficos, filogenéticos, dentre outros; e pelos resultados que irão subsidiar o cumprimento das metas do Brasil para 2010 no âmbito da Convenção da Diversidade Biológica. Vale ressaltar, que os poucos espécimes coletados nestas áreas encontram-se depositados em herbários do exterior, o que dificulta sobremaneira a elaboração das listas de espécies destas montanhas.

Objetivos do projeto:
• Inventariar áreas de alta diversidade biológica em regiões montanhosas da Amazônia brasileira;
• Elaborar listas preliminares de espécies para as regiões montanhosas da Amazônia brasileira, considerando que o conhecimento dos táxons é um elemento básico para programas de manejo e conservação.
• Indicar espécies raras, endêmicas e novas ocorrências para o território brasileiro;
• Obter material testemunho da flora das montanhas da Amazônia brasileira, para o herbário, Banco de DNA e coleções vivas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro;
• Disponibilizar os resultados através de relatórios, banco de dados, eventos científicos e publicações em periódicos e livros.

 

Projeto Jardim Botânico do Rio de Janeiro – Manutenção do Arboreto, Revitalização do Centro de Visitantes e apoio a visitação para os anos de 2014 e 2015

Patrocínio : Vale S/A
Coordenação: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Período: 2014 e 2015

Manutenção do Arboreto:
Compreende a conservação e recuperação das áreas verdes do Arboreto do Jardim Botânico, especificamente das áreas com vegetação no âmbito das coleções vivas, através de mão de obra qualificada para manutenção do Arboreto e aquisição de equipamentos para recolhimento de resíduos.

Revitalização do Centro de Visitantes:
Prevê a reformulação dos espaços de atendimento ao visitante, compra de novos equipamentos e materiais de suporte, especificamente:
Espaços: espaço de recepção primária, onde serão identificadas as necessidades dos visitantes e propostos encaminhamentos; espaços de acesso às informações com pequenas apresentações, orientações sobre roteiros, exibição contínua de vídeos, encontros com grupos, sala da maquete; preparados para atender grupos heterogêneos, escolas, deficientes e idosos; espaços de infraestrutura – banheiros e copa.

 

Projeto Caracterização do Maior Banco Coralíneo do Atlântico Sul : Biodiversidde e Potencial de Sequestro de Carbono Fase II

Patrocínio: Brasoil Manatti Exploração Petrolífera S.A
Período: 2015 a 2019

Avanços têm sido obtidos nos últimos anos sobre o papel dos recifes coralíneos na estabilidade do clima no planeta através, principalmente, do mapeamento das áreas ocupadas por recifes coralíneos nos oceanos e em estimativas e modelos sobre as taxas de produção de CaCO3 pelos organismos construtores dos recifes. Surpreendentemente, não existem estimativas para o Atlântico Sul, apesar de estudos da década de 1970 indicarem que a plataforma continental da região nordeste brasileira poderia apresentar os maiores depósitos de CaCO3 do mundo, especialmente a área do Banco dos Abrolhos.

Objetivos do projeto:

O projeto tem como objetivo, caracterizar a distribuição, composição, estrutura e extensão das formações recifais e bancos de rodolitos do Banco dos Abrolhos estimando sua contribuição para a produção de CaCO3 e consequentemente sequestro de carbono no maior banco coralíneo do Atlântico Sul.
Complementar as amostragens já realizadas, o que nos permitirá finalizar o mapeamento de habitats, descrevendo a biodiversidade e determinando a estrutura das comunidades recifais do Banco dos Abrolhos contribuindo assim para o entendimento dos padrões de distribuição de espécies ocorrentes nessas áreas.

Conheça mais aqui

Para assistir ao documentário, clique aqui

Projeto Desvendando a Margem Equatorial da Amazônia Azul: Estrutura, Diversidade e Aspectos Funcionais dos Recifes Associados à Foz do Rio Amazonas

Patrocínio: Brasoil Manatti Exploração Petrolífera S.A
Período: 2015 a 2019

Objetivos do projeto:

Mapear e caracterizar a estrutura geomorfológica de formações recifais na plataforma externa e na talude superior da margem equatorial brasileira, entre o Maranhão e o Amapá, e caracterizar as comunidades biológicas associadas aos recifes da foz do rio Amazonas quanto à biodiversidade e às relações com a pluma hiposalina e outros processos oceanográficos. Além disso, capacitará pessoal de alto nível nos temas abrangidos pelo projeto, contribuindo para atender à demanda por profissionais qualificados em complexas questões ambientais relacionadas à interação entre o Amazonas e o Atlântico.

Conheça mais aqui

Para assistir ao documentário, clique aqui

0 Comentários
0 Pings & Trackbacks

Deixe uma resposta